Je t’aime, moi non plus: reflexões sobre as relações e reações às imagens | curso com Olivia Ardui

JE T’AIME, MOI NON PLUS: REFLEXÕES SOBRE AS RELAÇÕES E REAÇÕES ÀS IMAGENS
curso com OLIVIA ARDUI

Venerar ou agredir: porque as imagens suscitam reações extremas e exaltam tanto os ânimos? O que explica que uma pintura, escultura ou até uma fotografia sejam capazes de gerar empatia, desejo, animosidade ou até raiva, como se investidos de uma vida e vontade própria? Em uma perspectiva transversal e histórica, Je t’aime, moi non plus propõe uma reflexão sobre a recepção das obras de arte na cultura ocidental, trazendo à tona considerações sobre o uso, o impacto e o poder das imagens. Após uma introdução sobre alguns momentos chave que pautaram a concepção e o modo como se apreendem as obras de arte, cada encontro se articulará em torno de um gesto sintomático das paixões mais ou menos veladas que as imagens são capazes de gerar: adorar, profanar, destruir.

Encontro 1 – Entre amor e ódio – um breve panorama das relações e reações às imagens na história da arte ocidental

O primeiro encontro consiste em traçar um breve panorama de momentos importantes que pautaram a relação com a imagem na cultura ocidental. Desde suas origens greco-romanas e judaico-cristãs, passando pelo processo de secularização da arte, até o advento das vanguardas do início do século 20, veremos que a imagem foi ora entendida como presença ora como representação, gerando reações tão diversas quanto a iconofilia e iconofobia.

Encontro 2 – Adorar

Relíquias de contato milagrosas, estátuas de devoção e ex-votos, até serigrafias em série de ídolos da cultura pop – No segundo encontro se abordará uma série de obras que se conformam como ou se referem à admiração, culto e veneração das imagens, ou ainda que estimulam ou problematizam essa empatia e o poder conferido à esses ícones.

Encontro 3 – Profanar

Um terceiro encontro se articulará em torno de obras provocativas, sujeitas à tabus, que foram interpretadas e entendidas como ofensa ou insulto, como difamações acerca de nomes ou figuras consideradas sagradas ou, então, vivenciadas como um ataque à certos princípios éticos, morais ou religiosos.

Encontro 4 – Destruir

Qual a resposta dos artistas diante dos possíveis atos de destruição de imagens? Um último encontro abordará obras que integram ou se materializam em gestos iconoclastas que podem ser explorados tanto por sua propensão ao espetáculo, à subversão ou mesmo enquanto estratégia estética e política.

 

Bibliografia

BAERT, B. (Éd.). Fluid Flesh. The body, Religion and the Visual Arts, Leuven University Press, Leuven, 2009.

DEKONINCK, R. “Entre présence et représentation. Les pouvoirs de l’image et de l’art”, D. Lories et Th. Lenain, Esthétique et philosophie de l’art. Repères historiques et thématiques, Bruxelas, 2002.

DEKONINCK, R. Fou comme une image. Puissance et impuissance de nos idoles, Loverval, 2006.

FREEDBERG, D. The Power of Images. Studies in the History and Theory of Response, Chicago, 1991.

LATOUR, Bruno, “What is iconoclash? Or is there a world beyond the image wars?”, In Iconoclash – Image-making in Science, Religion and Arts, Catálogo de exposição, ZKM Karlsruhe, 2002.

MITCHELL, W. J. T. What do Pictures Want? The Lives and Loves of Images, Chicago, 2005.

STOICHITA, V. Une brève histoire de l’ombre, Geneva, 2000.

STOICHITA, V. L’effet PygmalionPour une anthropologie historique des simulacres, Geneva, 2008.

 

Cronograma:

Outubro 04, 11, 18 e 25

Datas: de 04 a 25 de outubro de 2018
Horário: 20h30 às 22h
Duração: 4 encontros
Local: R. Amália de Noronha, 301
(5 min. do metrô Sumaré)

Vagas limitadas! Garanta já a sua: 
atelierpaulista@gmail.com

 

Olivia Ardui

Olivia Ardui é pesquisadora, pós-graduada em História da Arte Moderna e Contemporânea pela Universidade Católica de Louvain (Bélgica), com dissertação sobre o artista David Claerbout. Trabalhou na equipe curatorial para a 12a Bienal de Cuenca (Ecuador) entre 2013 e 2014. Foi membro do Núcleo de Pesquisa e Curadoria do Instituto Tomie Ohtake de 2013 a 2016, tendo desenvolvido também projetos independentes em paralelo. Atualmente integra a equipe de curadoria do MASP, com foco nas questões ligadas à coleção do museu.